Fique por dentro!

Técnica da mola para pesca de curimba

por Juninho
Postado em 26 de Julho de 2018

Em meses mais frios a espécie fica mais ativa. Aproveite!

A pesca de curimba com a técnica da mola é bastante produtiva. O maior segredo dessa técnica está no preparo de alguns ítens, em especial a montagem do chicote Astério, que leva o nome de seu autor. 

Ele é composto por uma pernada de linha de aproximadamente 1,5 metros de comprimento, com espessura de até 0,45 mm. Em um das pontas deve ser preso um girador e logo abaixo, cerca de 25 cm, amarre uma mola, cuja função é segurar a ceva (massa). 

Essa mola pode ser a mesma usada no acelerador do Fusca, que é fácil de encontrar e com preço acessível. Cada peça rende até três “molas”. Basta esticar e dividi-la em três partes iguais. 

Depois de prender usando o nó único, passo a linha pelo meio da mola e a 50 cm dela, prendo dois anzóis (Mustad 92247) número 6, um de costa para o outro atado. No final ainda prendo mais dois anzóis, presos da mesma forma que os primeiros.

Como foi dito antes, a mola é um cevador específico para sua linha e vai atrair o peixe mais facilmente até os seus anzóis. 

A isca nesse caso poderá ser a minhoca Califórnia de criame. Ela tem dado bons resultados, pois os curimbas atraídos pela ceva da mola, dificilmente aguentam a sua apresentação em dois anzóis e rapidamente começam a sugá-la. 

Nessa situação prefira varas de seis pés de comprimento e de ação lenta, como as fabricadas com blanks que levam grande porcentagem de fibra-de-vidro. Os modelos de ponta flexível, além de serem bastante sensíveis, o que ajuda a identificar até a pegada mais sutil, é excelente nas fisgadas. Isso acontece porque a blank amortece a batida do peixe, permitindo que ele fique por mais tempo com a isca na boca. 

Diferente do que ocorre com uma vara mais rápida e dura, que oferece maior resistência ao peixe na hora da puxada e tende a retornar a posição normal mais rápido quando envergada. 

Por isso a fisgada deve ser feita com um movimento progressivo, isso vai permitir que o anzol acomode melhor na boca do peixe. Comece erguendo a vara lentamente e aos poucos imprima a velocidade, terminando em um golpe seco. 

Newsletter

CADASTRE-SE E RECEBA TODAS NOSSAS NOVIDADES!

comentários