Dicas de Pesca

Por que usar vara comprida?

por Pepe Mélega
Postado em 09 de Março de 2017

Editor especial da Pesca & Companhia explica porque varas com comprimento superior a 6’ são vantajosas

Sou fã de empregar a vara comprida, com 6’ ou mais, nas pescarias. Mas elas têm aplicações distintas em minha opinião, e vale explicar. O padrão de pesca com iscas artificiais em nosso país é embarcado com trabalho dessa junto à superfície com arremessos curtos, dificilmente superando 30 metros de distância e em sua maioria trabalhadas de modo rápido. 

Temos que dar a mão à palmatória, porque nesse caso caniços de pesca mais curtos são ideais pelo conforto ao trabalhar essas iscas. Assim sendo, sou usuário de varas entre 5’3” a 5’8”, com frequência, em minhas pescarias de robalos, traíras e tucunarés. 

Mas há situações como, por exemplo, a pesca  com iscas soft no robalo, em que um caniço longo (6’2” a 6’4”) é mais do que desejável - não pelos arremessos longos, que nesse caso não são necessários, mas sim pela capacidade de melhor telegrafar a pegada na isca, pela eficiência maior da fisgada e principalmente pela potência de alavanca.  
    
Vamos notar um comportamento de trabalho de iscas de profundidade como cranck baits muito mais eficazes quando recolhidas com caniços longos e mais flexíveis do que com esses curtos que nos encantam na pesca do tucunaré. 

Em suma, para conseguir sucesso,  precisamos ser mais técnicos até na escolha adequada de nossos equipamentos. O corrico em águas internas pede um caniço mais longo e moderado em sua ação. Uma isca de hélice de porte grande é trabalhada de maneira mais confortável com um caniço longo, e, se usarmos um molinete, se torna ainda mais natural o movimento de recolhimento. 

Não avalio um caniço longo somente para arremessar seu engodo a uma distância longa; associo esse a um trabalho melhor de determinadas iscas. 

Newsletter

CADASTRE-SE E RECEBA TODAS NOSSAS NOVIDADES!

comentários